Esqueci minha senha
Ainda não sou cadastrado

MINHA CESTA

0 item(s) | Total: R$ 0,00

Os dez alimentos que mais apresentam agrotóxicos

Organofosforado, piretroide, benzimidazol, metilicarbamato de oxima, dicarboximida, ditiocarbamato, clorociclodieno e pirimidinil carbinol. Estes são alguns dos agrotóxicos de uso proibido no Brasil cujos resíduos foram encontrados em 1 de cada 4 amostras de frutas, legumes e verduras realizada em todos estados brasileiros em 2010 em estudo publicado pela ANVISA como parte do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos conduzido pela agência desde 2001.  

Se se somarem a estes dados os residuos de agrotóxicos autorizados, mas em quantidade superior aos limites de tolerância, quase 30% amostras apresentava irregularidades e representam uma ameaça a saúde dos consumidores.  

Observado os dados para diferentes culturas, é ainda mais chocante. Se você, assim como eu, adora pimentão (hábito que herdei de meu pai), a chance de estar comendo um produto contaminado com estes agroquímicos é de mais de 90%.  

Os agrotóxicos são um dos principais responsáveis por doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) que segundo Nota Técnica da ANVISA podem gerar sintomas como dores de cabeça, alergia e coceiras até distúrbios do sistema nervoso central ou câncer.  

Segundo o Ministério da Agricultura entre 2002 e 2011 a produção agrícola cresceu cerca de 46%. No mesmo período o consumo de fertilizantes nitrogenados cresceu 89% e de agrotóxicos cerca de 60%.  O Brasil é desde 2008 o maior usuário de agrotóxicos do planeta, quase 20% do mercado mundial.  

O uso excessivo de agroquímicos não impacta apenas a qualidade dos alimentos, mas tem consequêcias na contamição dos cursos dágua, do solo e dos trabalhadores expostos a estes produtos.  

Curiosamente, apesar da gravidade dos resultados da pesquisa anual – com pouca ou nenhuma evolução ao longo dos anos – a ANVISA limita-se a fazer recomendações sobre ações que poderiam reduzir a contaminação. Ninguém é responsabilizado por vender produtos contaminados com agroquímicos proibidos, não licenciados ou fora dos limites de tolerancia de resíduos. Esta situação seria equivalente a encontrar  1 em cada 4 produtos de um comércio com data de validade vencida e não tomar qualquer atitude de responsabilização. Não faz sentido.  

Segundo o estudo da ANVISA, em apenas 30% das amostras foi possível identificar o produtor ou associação de produtores responsável pelo produto. Ou seja, a cadeia de valor não tem sistemas que permitam saber a origem dos alimentos que eles vendem e tão pouco tem sistemas para aferir a presença de residuso químicos irregulares destes mesmos alimentos.  

É fundamental que os orgãos de controle, como a ANVISA, exijam dos varejistas a garantia de que 100% dos produtos estejam livres de contaminação. E, em tempos de responsabilidade social corporativa em alta, é imperativo que os varejistas se antecipem e comecem a trabalhar imediatamente na cadeia de fornecimento para garantir que somente alimentos seguros e saudáveis cheguem as suas prateleiras.  

Quero voltar a olhar para o pimentão como um alimento saudável que faz lembrar os hábitos de infância e não o risco de contaminação.

 

Educação Ambiental - Tasso Azevedo


Bookmark and Share 

< voltar